terça-feira, 21 de junho de 2011

           O BOM HUMOR NA BRUXARIA...

                                     
                                       
Tenho meditado muito sobre mau humor e bom humor, seus efeitos na iniciação da Bruxaria nos últimos anos de acordo com as graduações. E cheguei à conclusão que um dos grandes problemas das (o) Bruxas (o) é o mau humor. Na verdade o bom e o mau humor fazem parte da vida humana, no entanto, existem aquelas (o) que são mais felizes, alegres e contentes e outras que já são mais fechadas, estressadas e com bastante mau humor.
Muitas pessoas procuram uma solução para ter bom humor, mas na verdade não existe um tipo de remédio especifico para o mau humor. Com o bom humor as coisas parecem dar certo, nosso tom de voz muda e sem duvida ficamos pessoas muito mais legais e agradáveis. Tornamos-nos totalmente ao contrario de uma pessoa que está de mau humor e de mal com a vida.
No caminho da Bruxaria, viver o caminhar com mau humor é no mínimo uma falta de respeito a si mesmo e aos que lhe cercam.Ninguém gosta, nem é obrigada (o) a viver ou  conviver ao lado de pessoas que enxergam defeito em tudo e que vivem se lamentando, que só olha para o próprio umbigo.Sem contar aquelas que atrapalham outras pessoas com seu mau humor, pois vivem descontando seus problemas, suas noites mal dormidas,e suas brigas com seu parceiro (a),em cima de quem não tem nada a ver com a história. Mau humor contamina. Comportamento negativo gera comportamento negativo.
Nós Bruxas (o) acreditamos que o básico para uma vida melhor, é aprender a ter uma postura bem-humorada frente às adversidades, aprender a usar o atalho, a desviar do buraco, a tentar consertar e sempre continuar.
Sabemos bem, que muitas vezes à vontade de sentar e chorar é maior, que é tentador desistir e simplesmente reclamar que o mundo conspira contra nós, quando o necessário é que conspiremos com o Universo a favor da nossa felicidade!
Nossas ancestrais sempre diziam (e dizem...) que é linda a aura de uma (o) Bruxa (o) alto astral, e essa é traduzida por gestos naturais, olhos brilhantes, emoção na voz e um sorriso largo e encantador.
                                     
Sorriso contagia? Alegria pega? Bom-humor é contagioso?
Claro que sim, pois quando estamos rodeados por pessoas alegres e bem-humoradas, sentimo-nos bem. E, ainda que sejamos mais fechados, acabamos nos contagiando e passando a viver de uma forma mais leve.
Quem é que nunca riu de alguém que também estava dando risada? Apesar parecer estranho, saiba que isso tem uma explicação. Cientistas comprovaram através de estudos e pesquisas que o humor é contagiante.
Ficar perto de alguém extrovertido e bem humorado aumenta as nossas chances de sentir a mesma coisa. Se ultimamente temos andado um pouco estressada (o), viremos companheira (o) do cara mais divertido do Templo, da Empresa ou do Colégio.
Logo percebemos que, em pouco tempo de convivência, o mau humor e a cara feia desaparecerão. Além disso, teremos mais disposição e vontade para realizar as nossas tarefas, principalmente as de ordem missionárias no templo. Não percamos mais tempo! Deixemos a tristeza de lado e comecemos a dar espaço para a alegria.
O mau humor é uma coisa nada agradável e pode prejudicar muito as pessoas que o tem, tanto na saúde, como na convivência com as outras pessoas. Mas é possível fazer com que o mau humor diminua e assim se possa ter uma boa convivência com os outros.
Quando a raiva subir ou a tristeza chegar, nada de descontar nas outras pessoas, contemos até nove e siga em frente respirando profundamente para que possa ter uma melhor qualidade de vida.
A primeira forma de combater o mau humor é não investir energias desnecessárias na atenção dos problemas, claro que quando for necessário teremos que os enfrentar, nas muitas vezes elas são menores do que imaginamos e podem ser resolvidos com mais rapidez se estivermos calmas (o).
O mau humor pode ser contagioso, por isso fiquemos longe de pessoas que só reclamam das coisas que não conhecem ou não estão ainda preparadas, ou capacitadas para tê-las ou vivê-las. Procuremos sempre exercitar a nossa alegria saudável e verdadeira, para que o bom humor seja real.
Nossos Deuses sempre nos envolvem em um manto de serenidade e quietude que nos promove a alegria de viver, e possibilidades de conviver e viver com gente feliz. Principalmente no quotidiano de convivência com os irmãos da nossa Família cósmica, do contrário estaremos indo de encontro a tudo que pregamos e vivenciamos no que diz respeito à sombra do outro.
Claro que temos o direito de um dia ficarmos mais vulneráveis e com o nosso humor abalado, por vários motivos: Dores físicas, derrotas financeiras, perdas de entes queridos, dores morais, e por ai vai uma infinidades de motivos para que fiquemos de mau humor. Porém o que não admitimos, o que não faz parte do perfil de uma (o) Bruxa (o) de verdade são os arroubos intempestivos de egos mal resolvidos, falta de educação e falta de polidez deselegante, pois o coletivo não pode ser arranhado por um momento de manifestação de ego de um único ser.
Precisamos no nosso caminho da Bruxaria Tradicional de pessoas felizes e descontraídas, pois sabemos que as nossas escolhas naturalmente já são árduas e difíceis. Assim elas também irão contagiar com a alegria a todos com quem convivem.
No nosso Templo procuramos manter as pessoas que iniciamos sempre alegres e entusiásticas, pois essa também é uma missão Sacerdotal.
As nossas ancestrais muito sabiamente, há milênios já dizia nas aldeias, que não se pode curar nenhum mau do corpo se a alma não estiver saudável, tratada com o bálsamo da alegria. Daí, se desenvolver a necessidade da CURA COLETIVA, da convivência cotidiana em dormir e comer juntas (o) no Templo, compartilhando as tarefas domesticas como forma de estabelecer um vínculo de afeto e cumplicidade.
Cuidar e partilhar os espaços comuns são também maneiras de combater o mau humor, pois se gasta energia pessoal para harmoniza e respeitar o espaço concedido ao outro.
No Caminho da Bruxaria Tradicional, não há como se evoluir ao patamar da sabedoria das velhas (o) sábias, sem a partilha harmônica do todo sagrado, que são os espaços físicos, os alimentos, as tarefas domesticas, as lágrimas de dores e de alegrias, as risadas abertas e as contidas, os abraços e os toques afetivos, enfim; é preciso SAIR DO INDIVIDUAL PARA VIVER O COLETIVO - SAIR DO COLETIVO PARA SE TORNAR INDIVIDUAL E TRANSFORMAR-SE PARA INTEGRAR O COLETIVO NA SUA TOTALIDADE...
                     
E precisamos lembrar todos os dias ao acordar, que estar vivo já é um bom motivo para sorrir.
Sorria sempre: Sem duvida a maior expressão de alegria que uma (o) Bruxa (o) pode demonstrar é um grande sorriso, isso significa que estamos de bem com a vida e de bem com as (o) nossas (o) Deusas (o) e com as pessoas que vivemos e convivemos.
Não podemos e não devemos manter altos índices de estresse: Pois é bem complicado para o mundo mágico.
Não se estressar com coisas banais, o melhora a fazer nessas horas é tentar se controlar. Uma grande dica para se controlar é quando acontecer isso, fechar os olhos e contar do 1 a 09 bem devagar.
Procuremos meditar e aterrar diariamente, fazer sempre algumas coisas que nos deixe relaxadas (o), como uma massagem por exemplo.
É preciso ser alegre. A alegria pura é uma necessidade do espírito, uma carência do nosso eu primordial, da nossa Deusa interior, Do nosso progredir. O nosso ser se desenvolve quando a alegria está dentro da nossa alma e do nosso coração, vibrando e atingindo objetivos.
No entanto, se as trancas das portas, de algumas sombras mal resolvidas, cujas chaves foram displicentemente perdidas, o nosso ser primordial entra em colapso, e as disposições mórbidas encontram curso livre para impor, desacertos e doenças. O tumulto energético e o uso das palavras mal ditas se expandem e se propagam.
O nosso destino é ser feliz, mas, se não conduzimos bem a nossa alegria de estar vivo e com saúde, permitimos que forças negativas de “pântano” se apoderem do espaço destinado à nossa alegria,  preenchendo-o com aborrecimentos.
Alegremo-nos com a nossa vida. A alegria nos faz mais fortes e lúcidos da nossa própria Luz.
Ser alegre é deixar a felicidade apoderar-se do nosso coração e da nossa alma. Se não agimos assim, estamos boicotando a nossa existência.
Que a nossa criança renascida nos conduza a verdadeira alegria que é a lucidez de estarmos vivos...
Graça Azevedo/\Senhora Telucama
Suma Sacerdotisa do Templo Casa Telucama


Uno as minhas mãos às suas, para juntos fazermos o que não consigo, fazer sozinha...- Graça Azevedo/\Senhora Telucama
                            

Um comentário:

  1. Importante reflexão. Mais importante ainda a prática verdadeira!

    ResponderExcluir